Encontraponto

Textos

O engajamento da NINJA e a tentativa de escamotear o ativismo (1)


Uma das novidades nos protestos de junho consistiu no aparecimento da NINJA – Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação que expressou o curso das lutas, procurando dar visibilidade a determinadas ações coletivas para milhares de pessoas conectadas de modo virtual. Para aqueles situados no estabelecimento intelectual das grandes empresas de comunicação na qualidade de formuladores de opinião, a exemplo de Fernando Gabeira e de Zuenir Ventura, a entrada de NINJA no cenário midiático perturbou as regras do jogo. Em matérias assinadas, o primeiro questiona o futuro, enquanto o segundo tenta reduzir o novo ao velho. Cada um, a seu modo, ao mesmo tempo em que ressalta a importância da emergência do fenômeno, procura minimizar o vigor de seu impacto, questionar suas opções como descabidas, ingênuas, ou sem substância. Algo que passará, tal como o vento arrasta os papéis deixados atrás pelos manifestantes nas ruas e os incendiários de hoje serão os bombeiros de amanhã.

Nesta postagem vamos examinar o artigo “Tentando entender”, de Zuenir Ventura (O Globo, 14/08/2013). O articulista toma como ponto de partida um debate ao qual assistiu e questiona a auto interpretação dada pelos entusiastas da NINJA. Para ele, o “mídia ativismo”, traduzido como direito à parcialidade e ao engajamento, moda nos anos de 1950 quando iniciou a carreira de jornalista, está ultrapassado. O engajamento não constitui um avanço e deixou de o ser diante de um sistema que encarnou a “imparcialidade” da informação como objetivo da imprensa.

Não há como esquecer que a superação da imprensa engajada, partidarizada, dos anos 1950-60 – em espectro, aliás, bastante amplo: da Ultima Hora ao Estadão, passando pelo Correio da Manhã, Jornal do Brasil, Folha de São Paulo, etc., sem esquecer a proibida Voz Operária do PCB – foi obra do golpe militar de 1964 e, desde então, à instituição do poderoso conglomerado da Rede Globo e de meia dúzia de grandes empresas. Então o problema de fundo nesse debate é a liberdade ou o monopólio da comunicação de massa, em pauta com a expansão da internet e a emergência das “novas” mídias a exemplo de NINJA.

Vale contrastar a posição de Zuenir Ventura com um autor “insuspeito” de ser comunista ou anarquista. Refiro-me a Christopher Lasch (1932-1994), pensador democrata radical americano [1]. O centro da crítica de Lasch às elites reside no fato de terem abandonado os ideais democráticos. Ele ressalta a relevância da imprensa para a democracia como forma de governo popular, defendendo abertamente o "estilo polêmico" baseado na tradição oral e, portanto, de uma imprensa partidária que existiu durante a "era progressista" nos EUA (1865-1918). Essa fase foi historicamente superada pelo fortalecimento dos monopólios, com a intervenção do Estado e o “profissionalismo” na política e no jornalismo depois da Grande Depressão (1930-39). Lasch aponta Walter Lipman como o ideólogo do “profissionalismo”. Na obra Opinião Pública, de 1922, Lipmam defende democracia como forma de escolha de representantes instruídos e a garantia de um "jogo limpo". O papel da imprensa deve ser o de circular a informação elaborada por especialistas. 


A esta posição elitista se contrapôs, ainda de acordo com Lasch, o pedagogo John Dewy para quem (The Public and Its Problems, 1927) a indagação sistemática (raciocínio e espírito crítico) e a conversação (polêmica), essenciais no processo de conhecimento, deveriam ser estimuladas pela imprensa. Para Dewey,

“Discussões são coisas arriscadas e imprevisíveis, portanto educativas.”

Por último, desejo assinalar a importante reflexão de Perseu Abramo sobre o significado político da liberdade de imprensa e como se dá a manipulação da informação pela grande empresa.


[1] A obra comentada aqui é A rebelião das elites e a traição da democracia, publicada pela Ediouro em 1995. Outras obras do mesmo autor: Cultura do Narcisismo: A vida americana numa época de esperanças em declínio, A mulher e a vida cotidiana, Refúgio num mundo sem coração.
Encontraponto
Enviado por Encontraponto em 20/08/2013
Alterado em 20/08/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras